Apresentação1 Fgts

Mudança na multa sobre o FGTS

Empregador que dispensar funcionário sem justa causa, a partir de 01/01/2020, não terá de pagar a multa de 10% do FGTS ao governo
 

O que é a multa rescisória

A multa rescisória é uma indenização paga ao empregado dispensado sem justa causa, com o objetivo de compensá-lo, tendo em vista dispensa que não estava esperando.

 
Histórico da contribuição social – 10%

Os 10% recolhido sobre o saldo do FGTS foi instituído pela Lei Complementar 110/2001 em função de um desequilíbrio no Governo, que atingiria o trabalhador na hora de sacar o FGTS.

Em 2012, a Caixa Econômica Federal reconheceu – através da emissão de um ofício – e informou que o saldo do Fundo já estava positivo. Ou seja, a finalidade da contribuição já tinha sido atingida.
O empregador pagava uma multa correspondente a 50% do FGTS, sendo 40% destinado ao empregado e 10% à União.

 

O que mudou

A partir de 01/01/2020 o empregador não deverá mais pagar a contribuição social de 10% sobre o FGTS na ocasião da rescisão do empregado.

A multa que deverá ser paga através da GRRF (Guia de recolhimento rescisório do FGTS) será, apenas os 40% sobre o saldo do FGTS.

Ou seja, o fim da multa extra de 10% do FGTS não muda em nada a vida dos trabalhadores, pois ficou mantido o pagamento dos 40% em caso de demissão sem justa causa aos empregados.

 

Algumas empresas estão conseguindo, na Justiça, a restituição da multa de 10% sobre o FGTS  que foram pagas nas demissões sem justa causa. Isto porque os tribunais estão decidindo a favor do contribuinte e determinando a devolução dos valores recolhidos.

 

Gostou desse conteúdo? Que tal compartilhar com seus contatos?

Acompanhe nosso site e conheça nossas soluções trabalhistas.
Se inscreva em nosso canal no youtube  para ficar por dentro das principais novidades da legislação